Quanto custa o TSE? Um absurdo e quem paga é o povo brasileiro

Diante da indignação nacional com o vergonhoso acórdão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) absolvendo a chapa Dilma-Temer, ainda que comprovados fartos crimes cometidos nas Eleições de 2014, muitos têm se perguntado: quanto custa a inutilidade da corte suprema da Justiça Eleitoral do Brasil?


Eis a resposta:

De acordo com o portal de fiscalização Contas Abertas, o TSE dispõe de um orçamento anual de quase R$ 2 bilhões. Isso quer dizer que, para funcionar, o TSE gasta impressionantes R$ 5,4 milhões por dia;
Fonte: Estadão

A suntuosa nova sede do TSE foi inaugurada em dezembro de 2011. Só o projeto arquitetônico, assinado pelo escritório de Oscar Niemeyer, custou R$ 5,9 milhões;

Fonte: Estadão

Conforme dados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI), quando o projeto foi anunciado, em 2007, a nova sede do TSE tinha um custo estimado em R$ 89 milhões. Em 2008, a dotação prevista pelo Orçamento-Geral da União foi aumentada para R$ 120 milhões. Em 2010, o Tribunal informou em seu site já ter gasto nas obras cerca de R$ 285 milhões até o meio do ano;

Fonte: Estadão

A obra da nova sede foi concluída na gestão do então presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal. O custo final foi alçado a impressionantes R$ 327 milhões, valor 367% maior que o orçamento inicial;

Fonte: G1

A empreiteira responsável por erguer o multimilionário elefante-branco do TSE foi a famigerada OAS Empreendimentos — aquela do triplex do Lula e do sítio de Atibaia —, encrencada até o pescoço na Operação Lava Jato;

Fonte: UOL

OBS.: O site oficial do Tribunal Superior Eleitoral não oferece qualquer informação ao povo brasileiro sobre quem executou a construção da nova sede. No entanto, a Carta de Habite-se emitida em 14 de dezembro de 2011 pelo Governo de Distrito Federal revela o nome do engenheiro responsável, que é da OAS.

Fonte: Justiça Eleitoral.

Quem paga por isso é VOCÊ!

Helder Caldeira

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça