Para mulher que furtou desodorante e chiclete, Fachin negou Habeas Corpus

No momento em que o ministro Edson Fachin acaba de liberar da prisão o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, flagrado com uma maleta contendo R$ 500 mil reais, provenientes de propina, vale a pena recordar uma outra decisão do mesmo ministro, que numa situação bem menos grave, não foi tão benevolente, aliás foi extremamente duro e cruel.


Uma mulher de 39 anos, presa em flagrante em 2011 por tentativa de furto de dois desodorantes e chicletes de um estabelecimento comercial em Varginha (MG), teve negado um Habeas Corpus, em fevereiro deste ano.

Rocha Loures, ao contrário, não obstante a gravidade de sua conduta, esta semana teve o seu pedido de Habeas Corpus deferido e já descansa tranquilamente em sua mansão em Brasília.

Vale dizer que o valor atualizado dos desodorantes e chicletes que a mulher tentou furtar, perfazem apenas R$ 42, e o recurso interposto visava arquivar definitivamente a ação penal.

Parece uma demonstração inequívoca da seletividade dos magistrados brasileiros no julgamento de seus processos, utilizando diferentes critérios, de acordo com quem está sendo julgado.

da Redação

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça