Juristas ligados ao PT preparam encenação teatral contra a Lava Jato

Em mais uma atitude canhestra, pessoas descomprometidas com a luta contra a corrupção no Brasil, preparam uma nova investida contra a Operação Lava Jato.


A ideia é fazer um julgamento simbólico da maior operação contra a corrupção da história da humanidade.

O tal ‘júri popular’ está marcado para acontecer no dia 11 de agosto, em Curitiba (PR).

Tudo vai funcionar como se fosse um julgamento, com jurados, advogados de acusação e defesa e um juiz.

A turma que vai participar já está escolhida, inclusive os jurados, que serão o ex-presidente da OAB Marcello Lavenere (defensor intransigente de Dilma Rousseff), a professora da PUC-Rio Gisele Citadino (defensora intransigente do ex-presidente Lula), Antonio Maues (professor da Universidade Federal do Pará - UFPA); Juliana Teixeira e Luciana Grassano (professoras da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE); e o jurista Gerson Silva. 

Haverá ainda oito jurados a serem escolhidos entre a plateia, que obviamente estará repleta de militantes.

A acusação ficará a cargo de Eugênio Aragão, aquele que ficou por alguns dias como ministro da Justiça de Dilma. A defesa ficará a cargo de Antonio Kakay, advogado de inúmeros réus na Lava Jato.

Para fechar o grupo, o juiz Marcelo Tadeu Lemos, de Alagoas, crítico da força tarefa da Operação Lava Jato.

Em suma, uma iniciativa patética onde a ideia é condenar a Lava Jato.

da Redação

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça