Venezuelano envolvido com propina do triplex está proibido de deixar o Brasil, determina Moro

O venezuelano Rodrigo Andrez Cuesta Hernandes, um dos alvos da Operação Triplo X, a 22ª fase da Operação Lava Jato, está terminantemente proibido de deixar o Brasil, por decisão do juiz Sérgio Moro.


O sujeito era um prestador de serviços da Mossack & Fonseca, escritório que diversos condenados da Lava Jato utilizaram para ocultar contas e recebimento de propina da Construtora OAS.

Petição protocolada pelos advogados do venezuelano requereu ao juiz Sérgio Moro a sua liberação, alegando que ele havia recebido uma proposta de emprego de uma empresa espanhola.

A justificativa não sensibilizou o magistrado, que confiscou o passaporte do meliante estrangeiro e o proibiu de deixar o país.

Esse venezuelano teria atuado no esquema de propina envolvendo o tríplex do ex-presidente Lula.

da Redação

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça