Sérgio Alves de Oliveira

Advogado, sociólogo,  pósgraduado em Sociologia PUC/RS, ex-advogado da antiga CRT, ex-advogado da Auxiliadora Predial S/A ex-Presidente da Fundação CRT e da Associação Gaúcha de Entidades Fechadas de Previdência Privada, Presidente do Partido da República Farroupilha PRF (sem registro).

Os tresloucados generais de Kim Jong-un

Aqueles que conseguiram assistir a gravação das imagens e guardar na memória a reação dos militares de alta patente que cercavam Kim Jong-un, logo após o lançamento com êxito de um míssil balístico que atravessou o Japão, numa ilha que fica na região norte do seu espaço aéreo, em 29 de agosto de 2017, bem poderão compreender por que o ditador tem um poder interno absolutamente incomparável e sem limites.


Os generais que estavam à sua volta comemoravam a ‘vitória’ e mais pareciam ratos saltitantes agradecendo as migalhas recebidas de alguém que não tem cara de uma pessoa normal.

A reação dos militares da República Popular ‘Democrática’(?) da Coreia, em flagrante puxa-saquismo a seu líder máximo, vibravam, pulavam, davam ‘cambalhotas’, riam e comemoravam com palavras e gestos exagerados, o ‘grande’ feito do tirano norte-coreano que os lidera, de uma maneira tão contundente que igual só se observa nas torcidas que comparecem em massa aos estádios de futebol. Esse tipo de reação efetivamente não condiz com situações de ameaças nucleares à humanidade.

Mas o espírito dos dirigentes da Coreia do Norte é exatamente esse.  A sua ‘elite’ política e social é constituída pela classe dos militares mais graduados. Enquanto o povo norte-coreano vive num regime de repressão e opressão, combinada com miséria sem paralelo no mundo inteiro, ao mesmo tempo é forçado a sustentar um Exército cujo efetivo corresponde a mais de 10% (dez por cento) da população.

A Coreia do Norte é um país pequeno que tem um potencial bélico com tecnologia quase equivalente aos ‘grandes’. Tanto que está incluída no seleto grupo dos que dominam artefatos nucleares.

E como o seu ditador tem poderes absolutos, só depende do comando dele o disparo de mísseis com ogivas nucleares capazes de matar multidões e destruir grandes cidades. E tudo leva a crer que esse tirano é um sujeito absolutamente irresponsável e inconsequente em relação ao seu país e ao seu povo. O ‘ego’ dele está acima de tudo.  Acima do povo e da nação que dirige. Mas ao mesmo tempo em que ele tem poder de fogo para destruir boa parte do mundo, parece desprezar que seria absolutamente certa uma reação imediata bem mais que ‘à altura’. Não demoraria mais que poucas horas para que a Coreia do Norte fosse riscada do mapa e virasse cinzas.  Seria consequência inevitável e natural.

A grande esperança do mundo para que se evite tantos estragos fica à cargo do Governo Chinês, que parece ser o mais influente dentre todos em relação à Coreia do Norte. Independentemente de ‘afinidades’ ideológicas que possa ter com o país vizinho, se porventura deflagrado o conflito mundial, a China teria muito a perder, independentemente do lado em que ficasse no conflito, vitorioso ou derrotado, vendo interrompidos todos os grandes esforços que tem feito através de muitas décadas para se tornar uma das nações mais prósperas e ricas do Planeta. E sabe-se que destruir é bem mais fácil do que construir. O que leva séculos para ser erguido pode levar minutos para ser destruído.

O melhor exemplo que se poderia encontrar para o perigo que representa o domínio e posse de artefatos nucleares pela Coreia do Norte, poderia ser representado pela estupidez da entrega de uma arma de fogo carregada a uma criança travessa.

É claro que aqui não se tem a ousadia nem a pretensão de tentar afastar os riscos que representam os artefatos nucleares à humanidade. Eles já estão aí, como fatos consumados, e difícil está o seu controle. Entretanto as grandes potências que dominam essa tecnologia conseguiram manter-se em equilíbrio, por enquanto, o que tem evitado qualquer provocação, de um lado ou outro.

No meio dessa situação equilibrada surge uma Coreia do Norte ‘da vida’, com um dirigente maluco, e consegue ‘desequilibrar’ esse equilíbrio. O ‘outro’ problema tem mais tempo para resolver. O de Pyongyang, não. Deve ser atacado imediatamente. Agora.  Caso contrário, poderá ser tarde para evitar-se tantos estragos de dimensões e abrangência imprevisíveis.

Sérgio Alves de Oliveira

Advogado e Sociólogo

Sérgio Alves de Oliveira

Advogado, sociólogo,  pósgraduado em Sociologia PUC/RS, ex-advogado da antiga CRT, ex-advogado da Auxiliadora Predial S/A ex-Presidente da Fundação CRT e da Associação Gaúcha de Entidades Fechadas de Previdência Privada, Presidente do Partido da República Farroupilha PRF (sem registro).

Siga-nos no Twitter!

Mais de Sérgio Alves de Oliveira

Comentários

Notícias relacionadas