Renan, infame, usa uma picaretagem para tentar se livrar de outra

Ler na área do assinante

Para se defender de suas ações ilícitas apresentadas na primeira denúncia da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Renan Calheiros partiu para uma estratégia inusitada e absolutamente imoral.

O escândalo de corrupção acontecido em 2007, envolvendo um ‘affair’ que teve com a jornalista Mônica Veloso, está sendo utilizado como alegação de que não tinha força política para tratar da permanência do então diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa e assim participar de um esquema de corrupção ocorrido em 2010, envolvendo a empresa Serveng.

No caso de 2007, Renan foi acusado de ter recebido recursos do lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, para pagar a pensão a uma filha que teve fora do casamento com a jornalista. Em troca, o senador apresentava emendas que beneficiavam a construtora.

O senador na época, em sua defesa apresentou ao Conselho de Ética do Senado recibos de venda de gado em Alagoas para comprovar um ganho de R$ 1,9 milhão.

A documentação era fria, sem nenhum lastro.

Mesmo assim, diante de toda a evidência do crime, numa evidente demonstração de força, contrariando o que diz sua defesa agora, Renan conseguiu que sua cassação fosse rejeitada pelo plenário do Senado Federal.

“É inverossímil que o denunciado, submetido a vários processos de cassação do mandato no Conselho de Ética e com os senadores pedindo insistentemente a sua renúncia à Presidência do Senado, além de problemas familiares e conjugais, tivesse força política e disposição para ‘apoiar’ qualquer pretensão de Paulo Roberto Costa”, diz a peça da defesa.

Sem dúvida, uma blasfêmia. É público e notório que há quase 30 anos, Renan surfa no cenário político nacional, proporcionando impunemente inúmeras mazelas e falcatruas.

Querer justificar o não cometimento de um crime por uma suposta ausência de força política é zombar do povo brasileiro e imaginar que os ministros que irão julgá-lo são idiotas.

No caso sob julgamento, Renan é acusado de receber, em 2010, R$ 800 mil em propinas via doações eleitorais da empresa Serveng, que foi contratada pela Petrobras. Para a Lava Jato, as doações seriam uma forma de retribuir o apoio do político à permanência de Paulo Roberto Costa como diretor da estatal responsável pela contratação da empreiteira.

da Redação
Ler comentários e comentar