Onde está a coragem e a indignação do cidadão brasileiro?

Um povo acovardado que assiste apático a destruição da nação brasileira.

Chega a ser preocupante verificar que o nosso país está sendo arrasado sem que ninguém se manifeste e muito menos se revolte.

Quem tem um pouco de vergonha na cara morre um pouquinho a cada dia ao verificar o que está acontecendo em nosso país.

Semana passada o STF brincou com a paciência do cidadão brasileiro, quando após um episódio teatralesco e deprimente, jogado com cartas marcadas, devolveu para os réus do senado a responsabilidade de julgarem a si mesmos.

Hoje foi a vez do Senado Federal encenar a segunda parte da peça: "Enquanto eu te esculacho e te roubo você assiste novela, briga por futebol e pula o carnaval alegremente".

Já estão preparando uma Copa do Mundo para enfiar no rab..., desculpem-me, na goela do povo brasileiro.

"Eu, sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amorrrr...Eu, sou brasileiro...."

Pelo amor de Deus, quando acordaremos deste pesadelo, desse marasmo?

É revoltante ter que assistir o Senado Federal absolver o Senador Aécio Neves, por 44 votos a 26, rejeitando as medidas cautelares impostas pela Primeira Turma do STF.

O que será que corre nas veias do povo brasileiro? Sangue de barata? Água de cocô? Cachaça?

O que está acontecendo com a nossa sociedade?

Por que não reagimos?

O que nos leva a aceitar tudo isso passivamente?

Os três poderes da nação, Executivo, Legislativo e Judiciário, viraram as costas para os reais interesses do país e só se preocupam em se auto-protegerem.

Ficar clamando por uma intervenção militar não é a solução.

Quem seria o desequilibrado que teria a coragem de colocar os seus regimentos nas ruas para defender uma massa acomodada, apática e acovardada?

Que país é esse? Onde estão os verdadeiros cidadãos patriotas brasileiros que não tem a coragem de invadir as ruas para fazer valer os seus direitos?

Roberto Corrêa Ribeiro de Oliveira

Médico anestesiologista, socorrista e professor universitário

Siga-nos no Twitter!

Mais de Roberto Corrêa Ribeiro de Oliveira

Comentários

Notícias relacionadas