Advogados de Gilmar Mendes desencadeiam caça a blogueiros e mentem deslavadamente

O ministro Gilmar Mendes move ação indenizatória por danos morais contra o Jornal da Cidade Online e o editor jornalista José Tolentino.

Não satisfeito em processar a empresa e o editor, o ministro propôs a ação também contra os jornalistas Helder Caldeira, Amanda Acosta e Otto Dantas, blogueiros do Jornal da Cidade Online, autores de matérias de conteúdo eminentemente jornalístico, mas que o ser supremo ‘não aprovou’, não gostou e se sentiu ofendido.

A empresa e o editor foram citados, apresentaram contestação e também já propuseram Reconvenção, ação pela qual o réu, simultaneamente a sua defesa, propõe uma ação contra o autor.

Os blogueiros até o momento não foram encontrados para que pudessem ser citados da demanda proporcionada pelo ministro.

No nosso entendimento, é o ministro que deve indenizar o Jornal da Cidade Online. Nosso pleito é de R$ 100 mil, pelos danos sofridos, que se agravam ante a verdadeira ‘caça’ a nossos blogueiros, quando se sabe que a responsabilidade civil por todo o conteúdo do site é do editor e da empresa.

É pura e covarde tentativa de intimidação.

O mais cruel é a tentativa dos causídicos que cuidam dos interesses de Gilmar, impor ao magistrado da ação uma maneira aética e absolutamente ilegal para encontrar as suas ‘presas’.

Veja só o absurdo. Eles querem que o editor do Jornal da Cidade Online seja obrigado pelo magistrado da ação a fornecer os dados de nossos blogueiros (CPF, endereço, estado civil, etc), sob pena de multa. Para tanto, mentem descaradamente, dizendo que são ‘funcionários’ da empresa.

Noutras palavras, querem que o editor seja obrigado a ‘cagoetar’ os seus blogueiros, jornalistas abnegados e colaboradores do site.

No item '4' os impertinentes advogados afirmam que o Oficial de Justiça prestou a informação de que os blogueiros não trabalham no endereço sede do Jornal da Cidade Online. No item '7', objetivando enganar o juiz, eles asseguram que os mesmos blogueiros são funcionários da empresa;

Um absurdo que sejamos forçados a fornecer os dados de nossos blogueiros. Um absurdo que, aliás, jamais irá acontecer, mormente porque não possuímos os dados pessoais de nossos blogueiros. O relacionamento é virtual.

Que os advogados do ministro encontrem outros meios para obter êxito em sua insana perseguição.

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Comentários

Mais em Direito e Justiça