Sócio de Lulinha sabia de operação da PF e mandou esconder documentos

A revelação é mais uma novidade na série de falcatruas tramadas para proteger o ex-presidente Lula e sua prole.

Um email conseguido pelo inigualável site ‘O Antagonista’ comprova que Jonas Suassuna, sócio de Lulinha, no dia 3 de março de 2016, véspera da Operação Aletheia, determinou aos diretores do Grupo Gol que reunissem todas as pastas com documentos de cada área da empresa numa tal de ‘sala 3’.

O email foi emitido pelo diretor de relações institucionais Roberto Bahiense aos demais diretores do grupo, Alessandro Sargentelli (Financeiro), Ricardo Machado (Tecnologia) e Marco Aurélio Vitale (Comercial).

A ordem foi a seguinte: 
“As pastas de cada área deverão ser agrupadas na Sala 3, conforme recomendação do Jonas. Obrigado.”
Vitale, um dos diretores, não cumpriu a ordem e entregou o email à Lava Jato, revelando que Sargentelli ficou com a chave da sala.

A Operação Aletheia, 24ª fase da Lava Jato, teve como alvo Lula e sua família, além de sócios de Lulinha, Kalil Bittar e Jonas Suassuna, que aparecem como donos do sítio de Atibaia.

A Polícia Federal, estranhamente, deixou de cumprir o mandado de busca e apreensão justamente na sala 3, onde foram escondidos também os HDs dos computadores e imagens das câmeras de segurança.

Sinal evidente de combinação da qual a PF, ao que parece, foi conivente.

São fatos que precisam ser investigados.

A luta contra a bandidagem é árdua.

Abaixo, o email que obstruiu a ação da justiça:


da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça

loading...