“Direitos Fundamentais em Crise” – Encontro Jurídico FACSUL/FCG 2017

Reflexão para a qual não há momento melhor

Aconteceu ontem, 14 de novembro de 2017, no Teatro Mace, mais um Encontro Jurídico da escola de Direito das faculdades FACSUL – Faculdade Mato Grosso do Sul e FCG -  Faculdade Campo Grande, que compõem a UNIP – Universidade Paulista, sediadas em Campo Grande – MS.

O dia não poderia ser mais oportuno, considerando a relevância do tema do encontro: “Direitos Fundamentais em Crise”.

A leveza e a delicadeza das duas performances de dança, a primeira de ballet clássico e a segunda de dança contemporânea oferecida pela bailarina Mariana Torres, parecia ter função definida a proporcionar algum equilíbrio ao evento, visto a inegável urgência no trato do tema central, infelizmente.

A grata surpresa foi a constatação de que, embora pesado e espinhoso, delicado e preocupante, o tema foi abordado por todos os que fizeram uso da palavra, com leveza e delicadeza proporcionalmente equivalente às performances da bailarina. Digo sem receio de exagerar, que foi um privilégio aos que conseguiram lugar no auditório, e aos que permaneceram mesmo de pé.

Aproveitei alguns minutos que antecederam a abertura do encontro para conversar com várias pessoas, entre diretores, professores e acadêmicos, auferindo pessoalmente a relevância do tema, bem como a expectativa delas acerca da carreira e da Escola de Direito FACSUL/FCG.

Fonte: MS Notícias
Fonte: MS Notícias
Ivan Reatte - Diretor da FACSUL e da FCG
Ivan Reatte, Diretor das instituições, sem saber, indicou o “Norte” dos demais depoimentos, que mantiveram alinhamento em fundamento e essência:
“Efetivamente, o Encontro Jurídico proporciona à instituição, a possibilidade de oferecer ao aluno, por intermédio da atuação dos palestrantes convidados, o trato dos mais variados temas, que lhes tragam, principalmente, a visão atual de mercado e, o mais relevante, que a gente consiga transcender os limites da academia, para colocar o acadêmico em contato com o cenário real na lida cotidiana da profissão para a qual ele se capacita. 

Embora nós tenhamos uma equipe de docentes extremamente qualificados, tem muita gente boa no mercado, muita gente disposta dividir, a compartilhar aquilo que traz de mais precioso, o conhecimento fruto de sua experiência.

Então, todo evento que se faça é relevante quando sua finalidade é levar aos alunos esse conhecimento cultural e científico, bem como a integração que converte um evento como este num dia de festa; Professores e Mestres encontram-se com ex-alunos, ora colegas de trabalho. Isso é gratificante. ”

A ideia era fazer uma amostragem de maior homogeneidade possível, e prossegui ouvindo acadêmicos de três etapas bem distintas do curso de Direito, escolhidos sob o critério aleatório.

Imagem: jhmirandasa
Imagem: jhmirandasa
Gabriel Silva Angelim
Gabriel Silva Angelim, acadêmico do 2º semestre, questionado acerca de sua expectativa no evento, “É uma novidade, é uma forma de conhecer coisas que não vemos na faculdade. O Direito está sempre se atualizando e é importante que todos acompanhem essa dinâmica. ”.

Algumas fileiras de assentos distante de Gabriel, Caroline Maecawa, acadêmica do 6º semestre de Direito FCG, atual líder de sua turma, questionada sobre a relevância do evento considerando os temas propostos e a expectativa de trabalho frente ao cenário atual:

“A questão da informação dos acadêmicos, pela interação a faculdade e alunos, proporcionado familiaridade com o que vamos lidar no mercado de trabalho enquanto profissionais. A expectativa de êxito na carreira frente ao cenário atual é de esperança, sempre. ”, já anunciava o dito ‘alinhamento’ entre instituição e os seus acadêmicos, no que tange ao objetivo no evento e na atuação de ambos em sociedade.

Imagem: jhmirandasa
Imagem: jhmirandasa
Marcus Vinícius Gomes da Silva
  Marcus Vinícius Gomes da Silva, acadêmico do 10º semestre do curso de Direito da FCG, acerca relevância do tema e de sua experiência nos bancos da Faculdade de Direito FCG, deu o tom e brilho à amostragem de opiniões, interesses e expectativas comungadas pelos participantes do evento:

“É de grande relevância, principalmente pela qualidade e atualidade, pois os temas que serão abordados aqui são bem atuais, e por advogados renomados. Eles têm muito a nos transmitir, nos permitindo aprimorar nosso conhecimento acadêmico. Quanto à sua expectativa acerca de sua carreira, Marcus Vinicius complementa:

“Estou muito otimista. No começo de 2017, ainda cursando o nono semestre, prestei o exame da Ordem dos Advogados pela primeira vez e fui aprovado. Já tenho um caminho traçado para iniciar carreira na área do direito trabalhista e previdenciário - embora esteja apto para atuar em causas de qualquer espécie -  o foco da especialização é direito trabalhista e previdenciário. ”

Solicitado a enviar uma mensagem aos calouros e aos que estão em meio à jornada que ele ora conclui, Marcus Vinícius arremata generosamente sua participação neste artigo, “Não tem bicho-de-sete-cabeças. Basta ter foco e dedicação. ”.

Imagem: Aristogno Espíndola
Imagem: Aristogno Espíndola
Samya Abud, Coordenadora do dep. Direito FCG e Adriany de Barros Britto, Coordenadora do dep. de Direito FACSUL
A realização do Encontro Jurídico é fruto do empenho das Coordenadoras do curso de Direito das duas instituições, a Professora Mestre Adriany de Barros Britto está frente à coordenação na FACSUL, e a Professora Mestre Samya Abud, coordena o departamento de Direito na FCG.

Findo o evento, foi a Professora Mestre Samya Abud quem informou acerca dos objetivos, escolha do tema e o resultado obtido:

“O Encontro Jurídico tem como objetivos, num primeiro momento, reunir e aproximar o corpo docente e o corpo discente fora do ambiente da faculdade. Tem o objetivo de debater temas que estão em evidência, através de palestrantes que não fazem parte do corpo docente, para que haja uma oxigenação nas ideias e troca de conhecimentos e estimula o senso crítico do acadêmico.

2) A cada ano é escolhido como tema central do Encontro Jurídico uma área do Direito. Em 2017 sentimos a necessidade de aprofundar a discussão a respeito dos Direitos Fundamentais, tão importantes a todo e qualquer cidadão, mas que a cada dia tem visto esses direitos serem aviltados.

3) Sim, o fato de ver nossos acadêmicos participando e lotando a capacidade do teatro fez com que o objetivo fosse cumprido. O que prezamos, que é a troca de conhecimento e a interação entre professores, acadêmicos e palestrantes, conforme visto ao final de cada palestra, através das perguntas formuladas, foi colocado em prática.

Hoje, 15 de novembro, passados 128 anos da proclamação da República por Marechal Deodoro da Fonseca, é data excelente para refletir acerca da inobservância de que erros cometemos nesse período nos conduziram até o estado de coisas que vivemos; identifica-los e corrigir o que for possível, reescrever o que for necessário, pautados no bom senso, pra variar...

Imagem: Diogo Barbosa
Imagem: Diogo Barbosa
Samya Abud, palestrantes e cerimonial

Ademais, resta-me o cumprimento do protocolo, informando aos leitores que falou sobre a “Evolução Histórica dos Direitos Fundamentais”, o Dr. Leonardo Avelino Duarte, Advogado e ex-Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Mato Grosso do Sul; e versou mui delicada e precisamente sobre “A Liberdade de Expressão Artística como Direito Fundamental”, o Dr. Fábio Rogério Rombi da Silva, Defensor Público Estadual de Mato Grosso do Sul.

De resto, quem perdeu ocasião passada, é bom que se programe e atribua valor de importância aos Encontros Jurídicos vindouros.

Parabéns, Mato Grosso do Sul; parabéns, Campo Grande.

João Henrique de Miranda Sá - jornalista campo-grandense 

Imagem: jhmirandsaa
Imagem: jhmirandsaa
Execução do Hino Nacional

João Henrique de Miranda Sá

Jornalista independente em Campo Grande - MS.

Siga-nos no Twitter!

Mais de João Henrique de Miranda Sá

Comentários