Luislinda brigava por R$ 300 mil de supersalário retroativo

As pretensões de Luislinda Valois eram bem maiores do que chegou ao conhecimento público.

A ministra pretendia receber o supersálário retroativo, sob a tacanha alegação de ‘trabalho escravo’.

Em sua missiva ela havia solicitado o pagamento dos dois salários acumulados – desembargadora e secretária da Igualdade Racial e, depois, ministra – desde julho de 2016.

O total da verba retroativa pleiteada perfazia a bagatela de R$ 304.307,00.

O impressionante e inexplicável é a percepção de que Luislinda é desembargadora aposentada, supostamente conhecedora das leis. Como pode pleitear documentalmente algo manifestamente ilegal?

Ignorância, má fé ou leviandade?

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Política