O mais novo defensor das mulheres presidiárias com filhos

Um ato de extrema ‘nobreza’ do ministro Gilmar Mendes.

Ao conceder liberdade para a ex-primeira dama do Rio de Janeiro Adriana Ancelmo, ele enviou um ofício à presidente da corte, Cármen Lúcia, pedindo que ela, por intermédio do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), institucionalize ‘medidas de apoio psicossocial’ direcionadas a mulheres presas que estão grávidas ‘ou com crianças sob seus cuidados’.

Aliás, Gilmar Mendes demonstrou ser extremamente benevolente e estar influenciado pelo espírito natalino, ao liberar do cárcere diversas figuras envolvidas com corrupção.

A Folha de S.Paulo inclusive, em artigo de um de seus colunistas, vaticinou ‘Gilmar não anda de trenó, mas dá mais presentes que o Papai Noel.

Uma pena que todos os ‘presentes’ tenham sido de cunho individual e dirigidos a bandidos que lesaram os cofres públicos.

Nada, absolutamente nada, para sociedade que é quem paga o seu vultoso salário.

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça