Metáfora e Simbologia - passos do caminho à autocorreção

Feliz Natal!

O dia de hoje é simbólico.

Todos os dias, a Natureza Divina - a Criação ou como muitos outros denominam, 'Deus' - ‘nasce’ em milhares e milhares de indivíduos que compreenderam a série de simbologias e metáforas utilizadas pra referir a Ele e tudo o que a Ele está relacionado.

 Ainda colados ao ponto de partida, numa jornada infinita (sem fim), o que faz do mais sábio entre nós, um arremedo de “consciência”, senão um saber incipiente.

 Os viventes iluminados de nosso tempo, já têm condições de vislumbrar, por exemplo, alguns porquês que os coloca exitosos na luta contra o orgulho, o egoísmo e a mentira; permite a eles exercer por algum tempo a lealdade pura à nossa causa; a correção mais célere dos próprios vícios.

 A causa humana é uma causa Divina, confiada a nós, pequeninos fragmentos do Pai que erram pelaí, em todo canto, nos “campos do Senhor”, nas suas muitas moradas.

 É, bichão, é contigo, comigo, é conosco essa parada...

Talvez um dia, voltado mais para dentro do que para fora; envergonhado pela vileza saliente em mim, eu busque mais a autocorreção que a maledicência que dedico às quedas alheias e a arrogante comparação que faço de minha luta frente à sua.

Terá chegado o tempo em que as metáforas e as simbologias não serão necessárias ao trato de tudo o que diz respeito ao Pai. Senão, somente àquilo que não temos estatura moral, ainda, para assimilar.

 Nesse dia, todos entenderão que o “arbusto” em que subiu Zacheu, o cobrador de impostos notado por Jesus numa passagem em meio à multidão, não passa, de fato, da árvore do autoconhecimento, cuja dolorosa escalada faz com que ascenda e ilumine aquele que a esse mister se dedica.

Zacheu, homem odiado por quase todos, devido à natureza do seu trabalho, mobilizou-se, pela dor, ao estudo de si e de sua relação com seus irmãos, viu-se fragmento da Divindade pura, errando e acertando, em busca do caminho que o conduzisse de volta à “sua casa”, promovendo a reintegração, a religação com sua origem.

Zacheu foi notado, tocado pelo irmão maior, deu-lhe guarida, pense...

Aprendiz dedicado, Zacheu passou a semear, pelo exemplo, o caminho seguro da escalada exitosa à autocorreção.

Neste Natal, venho comemorar convosco, o grande número de Zacheus se multiplicando em todos os lugares; desejar aos que já buscam em si a melhor forma de se fazerem mais úteis, a força necessária a encarar cada uma das revelações que nos sãos feitas, passo-a-passo, na jornada de Luz, que caracteriza a “volta pra Casa”.

Que todos nós consigamos a manutenção do foco no que realmente importa, o lavoro constante, devagar e sem pausas, sempre e sempre.

Feliz Natal a todos nós!

João Henrique de Miranda Sá

Jornalista independente em Campo Grande - MS.

Siga-nos no Twitter!

Mais de João Henrique de Miranda Sá

Comentários

Notícias relacionadas