Ritual satânico no RS foi farsa para acobertar homicídio de duas crianças

Uma sala com cortinas azuis e vermelhas, uma estátua de lúcifer junto a um altar, uma bacia com sangue derramado, uma caveira humana e um pentagrama colocado no chão e ossos espalhados. Num outro canto, uma espécie de trono, com o crânio de um animal com um chapéu.  Um ambiente realmente diabólico.

Tudo não passou de uma farsa para acobertar o homicídio de duas crianças (Veja Aqui).

O caso sofreu uma grande reviravolta e a polícia acaba de constatar que três testemunhas foram ‘compradas’ para sustentar uma mentira.

As testemunhas que deram um depoimento mentiram com riquezas de detalhes, afirma o delegado Ricardo Baggio, de Novo Hamburgo (RS).

Os sete suspeitos já foram liberados pela Justiça, que atendeu ao pedido da própria polícia.

“Neste momento, com o aprofundamento das investigações, se observa que as novas informações angariadas ao feito possuem o condão de derruir o conjunto probatório até então existente, revogo a prisão preventiva e concedo a liberdade provisória”, afirmou a juíza em novo despacho exarado nesta quarta-feira (7).
De todo modo, uma nova linha de investigação já está em andamento, pois o homem que orientou as testemunhas a mentir, já está preso.

Existe a possibilidade de envolvimento de servidor público no crime, mas tudo está sendo investigado em absoluto sigilo.

A certeza é de que os participantes do tal ritual não tem qualquer envolvimento no crime.

da Redação

Comentários

Mais em Polícia