Raquel Dodge se impõe, demonstra independência e põe Temer na parede

Quem diria, a Procuradora Geral da República Raquel Dodge está se tornando uma pedra no sapato do presidente Michel Temer.

O inquérito sobre o pagamento de propina da Odebrecht ao PMDB, na campanha de 2014, em que Rodrigo Janot não incluiu Michel Temer, é visto de outra forma por Dodge.

A atual PGR quer que o STF inclua Temer como investigado no inquérito.

Janot havia excluído o presidente da República, em função do exercício do cargo.

Para Dodge, não obstante o presidente não possa ser responsabilizado penalmente, pode ser investigado.

O caso versa sobre o pagamento de propina para que a Odebrecht tivesse tratamento diferenciado na Secretaria de Aviação Civil. 

Uma eventual permissão da investigação, em torno do presidente, pelo STF, terá efeito desmoralizante.



da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça