PT usa tática de guerrilha para pressionar Cármen Lúcia

O clima nos últimos dias no Supremo Tribunal Federal (STF) tem sido o pior possível, extremamente constrangedor.

Advogados, deputados, senadores e dirigentes do PT são vistos a toda hora transitando pelos corredores do tribunal.

Interpelam servidores, atrapalham o andamento dos trabalhos e buscam a todo o momento conversar com ministros. São absolutamente impertinentes.

É o que eles mesmos chamam de ‘tática de guerrilha’.

Segundo a revista IstoÉ, na tarde de quarta-feira, um grupo de senadoras, do PT e partidos aliados, conseguiu surpreender a ministra Cármen Lúcia, presidente da corte. ‘Pega de surpresa,  Cármen Lúcia se viu compelida a recebê-las’.

Até então, a ministra vinha negando audiência a todos com qualquer tipo de ligação com partidos políticos, principalmente o PT, inclusive ao advogado Sepúlveda Pertence.

O grupo de senadoras foi para fazer pressão, clamando pela liberdade de Lula.

Ainda, segundo a IstoÉ, Cármen Lúcia as ouviu polidamente, sem dar qualquer sinal de como irá proceder na condição de presidente da Corte Suprema.

O tiro fatalmente sairá pela culatra.

A pressão insana só fortalece a convicção da ministra.

Lula será preso.



da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça