Três assassinatos bárbaros aconteceram ontem no Rio de Janeiro, mas só vemos militância, comoção e indignação com um deles...

Três assassinatos bárbaros aconteceram no Rio de Janeiro ontem (14).

Marielle Franco, vereadora do PSOL, foi assassinada com quatro tiros na cabeça.

Anderson Pedro Gomes foi assassinado com três tiros nas costas enquanto fazia bico como motorista da vereadora para levar comida para casa.

E um empresário foi assassinado na frente do filho de 5 anos em um latrocínio (roubo seguido de morte).

Entretanto, na ampla maioria da cobertura da imprensa, só vemos militância, comoção e indignação com o primeiro assassinato.

Em poucas horas, mesmo com poucas informações oficiais sobre o caso, os "peritos" das redes sociais e da imprensa já afirmaram que Marielle foi morta por ser mulher, negra, periférica, favelada, militante e de esquerda. E já apontaram os culpados: a PM, a "direita", os "golpistas", o "exército", o "machismo" e o "racismo".

Anderson Gomes não tem o mesmo tratamento. Seu homicídio será investigado com prioridade por estar ligado ao da vereadora, mas a comoção ficou para a família e amigos dele, e mais ninguém.

No caso do empresário, então, nem sabemos seu nome. Seu filho de 5 anos ficou gritando na rua, sozinho, que "mataram meu pai", mas não haverá comoção na imprensa por isto.

Como eles, outras 161 pessoas provavelmente foram assassinadas no Brasil, ontem. Outras 164 serão assassinadas hoje. Mais 164 perderão a vida amanhã. E assim sucessivamente até batermos 60.000 assassinatos por ano.

Para a ampla maioria delas não haverá flashes, notícias, cobertura da imprensa ao vivo e promessas políticas de "resolver o crime rapidamente". Haverá apenas o choro dos familiares e amigos de mais uma pessoa assinada e um homicídio que tem 95% de chance de ficar impune.

Autor: Marcelo Faria

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Policia