Ameaças contra Fachin se intensificaram e ficaram mais graves após HC de Lula

A imprensa tem receio de enveredar por certos assuntos, soam como ‘proibidos’ e revelam um comprometimento inconfessável com a nefasta classe política.

É impressionante, mas a farsa do tiro na lataria do ônibus petista ganhou mais espaço na mídia tradicional do que a preocupante ameaça contra o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Tais ameaças se estenderam a família do ministro, a esposa, as duas filhas, ao neto e a neta.

Uma atitude covarde, digna de verdadeiros facínoras, que foi intensificada no momento em que o STF se prepara para votar o HC de Lula e a posição do relator tem sido contra a bandidagem e contra os corruptos.

Percebe-se que a farsa do atentado também teve esta lógica, minimizar a gravidade da ameaça ao ministro, tirar o foco.

É o momento em que o partido político assume sua verdadeira identidade e passa a agir como organização criminosa.

Sempre sob o comando do comandante máximo.

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça