Polícia Federal começa a enquadrar defensores de intervenção militar

Com base no artigo 23 da Lei de Segurança Nacional, que prevê pena de um a quatro anos de detenção para quem incitar "subversão da ordem política ou social" ou "animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições civis", a Polícia Federal pode ter iniciado o enquadramento dos defensores da intervenção militar no Brasil.
Capitão da Marinha Sergio Zorowich
Capitão da Marinha Sergio Zorowich

Quem diz isto é justamente o capitão da reserva da Marinha Sérgio Luiz Zorowich, um dos líderes dos manifestantes contrários à presidente Dilma Rousseff e favoráveis a uma intervenção militar. Ele foi intimado a depor em um inquérito da Polícia Federal sobre o assunto.
Zorowich concentra sua atuação nas redes sociais, onde tem milhares de seguidores e publica mensagens nas quais pede a ação imediata das Forças Armadas para depor o governo do PT - e chega a vincular a presidente Dilma Rousseff a grupos criminosos como o PCC ou terroristas como o Estado Islâmico.
Para ele e seus seguidores, a tese do impeachment de Dilma defendida por parte da oposição é muito branda. Em uma dessas mensagens, sobre a Operação Lava Jato, escreveu: "Que indiciamento que nada, vamos derrubar o governo pela força das massas e com apoio dos quartéis".
A Lei de Segurança Nacional foi criada durante a ditadura militar para dar cobertura legal às ações das forças de repressão que investigavam, prendiam e torturavam integrantes de grupos contrários ao regime.
A própria presidente Dilma Rousseff foi enquadrada na LSN ao ser presa em 1970, quando militava no grupo armado VAR-Palmares. "Não deixa de ser uma ironia que eu, defensor da intervenção militar, seja enquadrado em uma lei criada durante o regime", disse Zorowich.
De qualquer forma, em contrapartida, a manifestação recente do presidente da CUT, quando convocou militantes para "ir às ruas com armas na mão" (veja aqui) foi gravíssima e demonstra que democracia não combina com radicalismo.

                    https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça