Moro ignora petição de advogado e segue adiante com processos de Lula

No dia seguinte à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), apressadamente, os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva peticionaram requerendo que o juiz Sérgio Moro enviasse para a Justiça Federal de São Paulo os dois processos que tramitam em Curitiba. O do sítio de Atibaia e o do terreno do Instituto Lula.

Moro não deu bulhufas para o pleito do aloprado Cristiano Zanin.

Muito pelo contrário. Determinou medidas para dar andamento processual nos dois processos e apenas esclareceu que o ministro Dias Toffoli em seu voto foi enfático ao consignar que “a decisão tinha caráter provisório e tinha presente apenas os elementos então disponíveis naqueles autos”.

Na sequência, Moro ensinou aos advogados de Lula que no corpo da ação penal não é lugar para questionar a sua competência. Isso deve ser feito na chamada exceção de incompetência, uma espécie de recurso que coloca em cheque a competência do juiz para julgar determinado caso.

De São Paulo, o abobalhado Zanin, que no dia anterior estava radiante de felicidade, percebeu que não conseguirá livrar o meliante petista de Moro com tanta facilidade e criticou o despacho do magistrado: "A rigor essas decisões mostram que o juiz de primeiro grau pretende abrir um incidente processual para decidir se o Supremo agiu corretamente, o que é incompatível com a hierarquia judiciária."

É mesmo um tolo!

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça