Sobre o médico que quebrou o posto de saúde: não existe ética na guerra, na doença e no desespero

Pobre do país cujos médicos estão doentes: cansei de escrever essa frase e ninguém me deu ouvidos.

As imagens do médico (já de cabelos brancos) destruindo o posto de saúde em que ele mesmo trabalha no Espírito Santo são a prova disso.

NINGUÉM vai defendê-lo, NINGUÉM vai lhe dar direito de adoecer, de entrar em desespero ou mesmo de ficar estressado.

Já foi chamado para depoimento na Delegacia de Polícia – dano ao patrimônio público é a acusação que lhe foi imputada. Em relação aos canalhas locais que controlam a Saúde Pública para ganhar votos ninguém vai fazer nada.

Ninguém quer saber POR QUE ele entrou em desespero - médico simplesmente “não pode entrar em desespero”, diz a Imprensa Vagabunda Petista do país do Futebol, do Carnaval e dos Políticos que destruíram a Saúde Pública.

O pior, o mais nojento, o mais asqueroso de tudo, é que dentro do próprio Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo não hão de faltar canalhas formados em Medicina (que são na verdade políticos frustrados) para processá-lo por “falta ética”.

A Ética foi, é e sempre será, um epifenômeno em relação à Ordem Legal: não existe ética na Guerra, na Doença e no Desespero. O Médico que fez isso adoeceu por causa da Guerra que se tornou trabalhar no SUS, adoeceu e entrou em desespero.

Julgá-lo, criticá-lo, dizer que “não pode fazer porque é médico” não é crime….não é nem mesmo falta de ética – é a mais pura falta de caridade e o apogeu da hipocrisia no país mais filho da puta do planeta – essa espelunca, essa emergência do SUS, chamada “Brasil”.

(O autor é um Médico Desconhecido)

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Comentários

Mais em Saúde